Análise de God of War (PS2)

27 02 2009

Recentemente, joguei God of War, para o console PlayStation 2, baseado na mitologia grega. Eis minha análise:

Você inicia o jogo sem conhecer o protagonista. Sem saber a razão de estar ali. A cada momento do jogo, você conhece um pouco mais a respeito do protagonista (o que é necessário, afinal, pra que você vai matando caras sem motivo?).

É contada a história o general espartano Kratos, que faz um pacto com Ares (deus da guerra) durante a luta contra os bárbaros. Ele daria sua alma ao deus em troca da morte de seus inimigos. Com isso, Kratos adquiriu poder. Porém, anos depois, ele descobriria o custo de tudo isso… Então, jurou vingança eterna contra o deus da guerra. Então, entra a questão: como um humano pode matar um deus?

Os gráficos são bem detalhados. Notam-se alguns serrilhados, mas nada absurdo. Os cenários são extensos e bem diversificados (e não fica aquela paisagem cansativa). As animações (me refiro aos pequenos filmes que contam as histórias) são maravilhosas, mas acaba não combinando muito com o jogo (por serem perfeitos demais).

A respeito som, nem precisa escrever, mas vou escrever assim mesmo: perfeito! Com dublagem ótima e músicas de fundo bem selecionadas. (*w*)

A violência ganha destaque: cabeças decepadas, pernas voando e sangue jorrando. Não é de chocar tanto uma pessoa, mas acaba tornando o jogo divertido. Além disso, o jogo contém algo incomum: insinuação de sexo e nudez.

O sistema de batalha é ótimo, com uma variedade de golpes (até fáceis de realizar). Ao jogar, me lembrei de Prince of Persia (principalmente pelos quebra-cabeças).

Senti falta do controle de câmera (pois, no jogo, ela é automática) e de uma visão em primeira pessoa. Atrapalha um pouco em alguns quebra-cabeças. Mas, na maioria dos combates, isso não é nenhum problema.

O jogo contém um grande número de enigmas (bem elaborados, por sinal) e batalhas. Porém, senti a falta de chefes. O que saciou um pouco de minha vontade no meio do jogo foi o minotauro gigante. (Aliás, me lembrei dos chefes de Donkey Kong nessa parte.)

Concluindo, o jogo é ótimo, mas tem lá seus pequenos defeitos. Agora, estou começando a jogar God of War 2 e também estou achando fodástico.

E para tornar esse post ainda maior… Parece que terá também o filme de God of War. Brett Ratner, diretor de X-Men 3 e Hora do Rush, dirigirá o filme. Especula-se que Djimon Hounsou (Gladiador) fará o papel de Kratos, o que seria estranho por motivos óbvios.

Você já jogou God of War? O que achou? Quem você acha que deveria fazer o papel de Kratos no filme? Comente.





Company Man, um dos episódios mais fodásticos de Heroes

26 02 2009

Hoje eu estava revendo a primeira temporada da série Heroes, e assisti um dos episódios mais fodásticos da série, Company Man, escrita por Bryan Fuller. Tem spoiler demais aqui, viu?

O episódio se concentra somente no que acontece ali, com os Bennet (o que foi uma boa escolha, para manter a emoção). Matt e Ted invadem a casa do Sr. Bennet procurando por respostas, e fazem a família de refém.

Enquanto isso, segredos são revelados em flashback, que mostram detalhes de como atuou na Primatech. Antes de ter o haitiano como parceiro, trabalhava com Claude (o homem invisível, lembra?).

Foi mostrado, também, que um dos chefes da companhia é Kaito Nakamura, e foi ele quem entregou ao Sr. Bennet a responsabilidade de criar a Claire. Com o tempo, acabou se apegando a ela, e tentou escondê-la de seu chefe por anos, mostrando que o Sr. Bennet não é um vilão.

Bateu uma saudade do que Heroes era antigamente (vou até assistir Five Years Gone). Pena que veio perdendo a qualidade com o tempo. O que é animador, para muita gente, é que Bryan Fuller retornou a Heroes, e logo poderemos ver o resultado de seu trabalho (a partir do episódio 19 da terceira temporada). Seus planos são de voltar a focar nos personagens, pois foi como tudo começou: muito claro, como metáforas do quotidiano de um super-herói.

Eu estou animado sim com a volta do roteirista. Uma série bem recente dele foi Pushing Daises, que aliás, é muito boa (apesar de ser bem colorida). Eu estava acompanhando os episódios na Warner Channel e gostei muito. Pena que foi cancelada tão cedo, já na segunda temporada.

Espero que o trabalho de Bryan em Heroes tenha bons resultados. E parece que ele está notando bem as falhas da série. Tomara que ele consiga. Inxalá!





Será que Heroes está Lost?

3 02 2009

Cena de HeroesAssisti o primeiro episódio de Heroes do novo volume de Heroes, Fugitives. (E se você também assistiu, vai entender o trocadilho do título deste post.) Não se preocupe, pois cuidarei para deixar o mínimo de spoilers possível.

Sobre os personagens… Parece que a “origem” do Sylar será mais trabalhada (de novo). Mohinder, depois do que aconteceu no volume anterior, mudou seu jeito de ser. Já nem dá mais pro seu antigo cargo de filosofar no início e no final dos volumes. O Mr. African Isaac está de volta (ou quase). Hiro, exagerado. Ando, um pervertido. Claire, dando uma de superhira. Peter com seu antigo cabelo (lá da primeira temporada, lembra?). Natan, nem se fala…

Teve até bons diálogos, como o conselho do Peter para seu irmão. Se bem que o Natan está merecendo mais que aquele conselho… (Cenas com ele até desanimam…)

Falta de criatividade é o que não falta. A cena do final está muito parecida com a do início da série Lost (o que mais deve ter chamado atenção a muita gente). Além disso, o enredo já está parecendo demais com X-Men. Só falta os sentinelas! (alguém lembra?)

Bom, é isso. Conseguiu deixar um suspense. Vamos ver no que vai dar essa temporada.





Volta às aulas? Nem começou… / Heroes retorna… fugindo?

2 02 2009

As férias, com certeza, acabaram. Já as aulas, ainda nem começaram.

Hoje, tive que acordar cedo para ir ao colégio. Saí sem pressa, e numa preguiça… Cheguei mais ou menos no horário que normalmente abria o portão de entrada interno. Porém, o “trem” não estava aberto, então ficou aquela multidão do lado de fora. Então, tive que ficar esperando até abrir.

Revi uns amigos, conheci pessoas novas.  Inclusive, apareceu gente que estudou comigo no turno da tarde há muito tempo.

No mais, aula mesmo não teve. Só ficamos lá conversando, por pouco mais que uma hora. Já estávamos pensando em ir embora, foi então que veio a notícia: “Hoje foi só para saber que sala vocês estão. As aulas começam só a partir de amanhã.” Bom, se não fosse por isso, iríamos ficar lá até as 11:30, por certos motivos (não é, Lucas?).

Enfim, deu tudo certo. Graças a Deus.

Agora, mudando de assunto, hoje começa a passar na NBC (uma rede de televisão dos Estados Unidos), o quarto volume da série Heroes, denominado Fugitives. Ou seja, amanhã mesmo já deve ter o video legendado disponível (e eu vou assistir, com certeza).

Bom, não vou deixar spoilers sobre a série neste post. Apenas assistam, pois é muito boa.

Se você não conhece a série e/ou deseja baixar os episódios, visite o brazilseries. Outro lugar ótimo para você baixar os episódios é a comunidade Heroes Brasil, mas, obviamente, é preciso ter orkut. Neste, os episódios mais recentes costumam chegar com legendas mais rapidamente. Além disso, contém links para sites que permitem assistir a série pela NBC.

Por hoje é só isso tudo. Até a próxima!





Voltando às aulas

1 02 2009

Pois é galera, depois de pouco mais de um mês de férias, amanhã já será o dia menos esperado do ano, conhecido como volta às aulas. É o dia onde a vida de estudante se reinicia. Mas, já? Essa férias passaram muito rápido…

E começamos a cogitar coisas absurdas… O professores mais chato e temido do colégio? Matérias muito complicadas? Ah… só de pensar em matéria, já dá uma preguiça.

Mas essa pressão toda é esquecida ao rever os antigos colegas, no meio de abraços. Quanta saudade!

Galera, tô chegando! Logo vão ter que me aturar! Mwahahaha!!!





Prazeres e sofrimentos na vida de um mochileiro

31 01 2009

MochileiroVocê já pensou em deixar tudo para trás, botar uma mochila nas costas e cair no mundo? É essa a interessante vida do mochileiro. Imagina a enorme sensação de liberdade…

Algo muito prazeroso. Mas até a viagem começar deve ser uma coisa chata. (xD)

Primeiro que, além de ter o passaporte, alguns países requerem o visto (para quem não sabe, é uma autorização para a entrada no país). E, para piorar, em alguns países só se obtem o visto no próprio. ou seja, se você não for aprovado, mandam de volta pro país de origem sem choro, nem buá. Segundo que, se o viajante for para países com risco de doenças, deve se vacinar (o que é óbvio) e estar com o comprovante que mostre o prazo do dia da aplicação até o dia da viagem.

Mas isso não é nada comparado à mochila. Pois, se o cara levar além do necessário, ele vai sentir isso nas costas durante toda a viagem! Por isso, penso que o mochileiro nunca deve se preocupar com roupas requintadas, chiques e refinadas, pois o mesmo não vai a um desfile de moda.

O mochileiro deve levar também muita comida, pois ele não viaja muito cheio da grana (só a mochila mesmo), o que é ruim para ir em lugares turísticos para comer, onde é muito caro. Não estou dziendo que comidas típicas do local não valem para um mochileiro, mas ele deve tomar cuidado com seus gastos.

Agora, a quantidade de mapas e documentos que são levados deve ser muito grande, já imagino.

O interessante é que o mochileiro tem uma liberdade enorme de estar em qualquer lugar que queira. E, além de observar de perto belíssimos lugares, ele conhece novas pessoas. Com isso, o que não vão faltar são convites para shows e lugares novos. No mais, penso eu, que o mochileiro acabam que conhecem não só pessoas novas, como também a si mesmo.

Penso que devemos ser como mochileiros. Temos que ampliar nossos horizontes de nosso modo. Temos que aprender o máximo sobre as pessoas e os lugares á nossa volta, e também sobre nós mesmos.





Análise de Michiko to Hatchin

28 01 2009

Anteontem, dia 26/01, eu havia postado sobre um anime que usa o Brasil como cenário. Você pode ler a postagem clicando aqui.

Pesquisei mais um pouco a respeito, e achei a abertura ndo anime no youtube. O nome da música é “Paraíso”. Vejam:

Até que eu gostei. Ao ouvir, lembrei do Sexteto do Programa do Jô. (xD)

Cavei mais fundo, onde achei também o download link para download do primeiro episódio. Então, eu assisti, terminei, e pensei: Mas o que é isso??? (Já aviso que a partir daqui, há spoilers.)

O anime começa com uma mulher fugindo da cadeia, já rolando um samba e tiroteio. (Quem será essa mulher?) Depois, mostra como é a vida de Hana, uma menina adotada, tratada como uma escrava na casa onde mora. Agora, o que é de deixar o queixo caído: o pai adotivo dela é um PADRE CASADO! E tem mais dois filhos que acabam com a vida da coitada. No final, vem, pela janela, uma mulher de moto, dizendo que veio buscar a filha dela, Hana. Sim, é a mesma mulher que fugiu da cadeia. (Isso não lhe é familiar?)

Os nomes das lojas, livros, etc, aparecem em português mesmo. Até o nome dos personagens são brasileiros. E, pelo que fiquei sabendo, ele mudaram o nome da moeda para Arca. E, em momento algum, não declaram que o ambiente é brasileiro (embora saibamos que é).

Se quiser assistir e tirar suas próprias conclusões, o link é: http://www.4shared.com/file/82750989/7eb13e02/Michiko_to_Hatchin_01.html

Não é necessário baixar, dá pra assistir no próprio site. E, quando terminar, comente aqui; dê sua opinião.