Quem vai ganhar Oscar de Melhor Filme, Diretor e Ator Coadjuvante?

21 02 2009

Melhor filme

A disputa deve ficar entre “O Curioso Caso de Benjamin Button” e “Quem Quer Ser um Milionário?”, representando respectivamente a grande produção de estúdio, repleta de astros, que Hollywood ama com sua cabeça – e sua carteira e a produção independente pequena, fora do radar, que Hollywood ama com seu coração.

“Frost/Nixon” tem uma escala pequena demais para este prêmio, “Milk – A Voz da Igualdade” é considerado mais uma exibição de interpretação do que um filme brilhante e “O Leitor” perderá votos dos fãs de “Foi Apenas um Sonho”, pois o consideram o segundo melhor filme de Kate Winslet no ano.

Provavelmente “Benjamin Button” levará o prêmio. “Quem Quer Ser um Milionário?” é caloroso, mas a Academia não vai querer encorajar outros cineastas a terceirizarem suas produções para a Índia, de custos mais baixos.

Melhor diretor

Hollywood está cheia de gente que adora o talento narrativo e visual de David Fincher, mas detesta sua inclinação por temas sombrios e radicais como “Alien 3” (1992), “Seven – Os Sete Crimes Capitais” (1995) e “Clube da Luta” (1999). “O Curioso Caso de Benjamin Button” é o filme de Fincher pelo qual todos esperavam e ele lhe renderá um Oscar. Seu maior adversário é Danny Boyle, de “Quem Quer Ser um Milionário?”, mas os melhores filmes de Boyle foram feitos fora de Hollywood, de forma que ele carece do eleitorado de Fincher.

Ron Howard, de “Frost/Nixon”, é muito querido e apreciado por seu talento em produzir filmes, mas seu talento como diretor não é universalmente admirado, de forma que o Oscar por “Uma Mente Brilhante” (2001) parece suficiente para a maioria das pessoas. Gus Van Sant também tem grande apreço pelo estranho e toques de autopiedade, apesar de tê-los atenuado em “Milk – A Voz da Igualdade”, e o geralmente respeitado Stephen Daldry sofre com o fato de “O Leitor” não ter sido muito visto.

Melhor ator coadjuvante

Após sua assustadora interpretação como o Coringa em “Batman – O Cavaleiro das Trevas”, a única coisa entre Heath Ledger e o Oscar é, ironicamente, a mesma coisa que o torna um grande favorito: ele está morto. Hollywood gosta de homenagear os astros que partiram, mas prefere reservar o Oscar para pessoas cujas carreiras serão beneficiadas pelo empurrão.

Se a lógica prevalecer, este é o ano de Josh Brolin. Sua atuação como o supervisor Dan White em “Milk – A Voz da Igualdade” consegue fazer o homem que atirou em Harvey Milk e no prefeito de San Francisco, George Moscone, parecer uma figura triste e até mesmo simpática, e seu trabalho talentoso em “Onde os Fracos Não Têm Vez” (2007) e “W.” (2008) também não prejudica.

Michael Shannon é um novato “feliz apenas por ter sido indicado”. A vitória de Philip Seymour Hoffman como melhor ator por “Capote” (2005) ainda é muito recente e o trabalho humorístico de Robert Downey Jr. em “Trovão Tropical” utiliza muito pouco do talento formidável do ator.

Dito tudo isso, a Academia não tem outra forma substancial de homenagear o filme de maior bilheteria do ano, “Batman – O Cavaleiro das Trevas”, e Ledger se tornará apenas o segundo ganhador póstumo de um Oscar de interpretação.

Fonte: Uol Cinema

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: